Rússia e EUA ainda estão em desacordo após negociações de segurança em Genebra

2022-01-14 16:28:07丨portuguese.xinhuanet.com

O presidente russo, Vladimir Putin, e o presidente dos EUA, Joe Biden (Xinhua)

Moscou, 12 jan (Xinhua) - Uma nova rodada de negociações de segurança entre a Rússia e os Estados Unidos foi concluída na segunda-feira em Genebra, com os dois lados não mostrando nenhum sinal de diminuição das diferenças sobre a Ucrânia e outras questões de segurança.

Analistas acreditam que a Rússia está disposta a estabelecer uma estrutura de cooperação de segurança de longo prazo com os países ocidentais liderados pelos Estados Unidos, enquanto a América não respondeu às preocupações de segurança da Rússia.

Eles preveem perspectivas sombrias para um avanço nas negociações à medida que os valores e objetivos estratégicos dos dois países divergem.

CONSENSO DIFÍCIL DE ALCANÇAR

"As conversas foram difíceis, longas, muito profissionais, profundas, concretas, sem tentativas de encobrir algumas arestas", disse o vice-chanceler russo, Sergei Ryabkov, que chefiou a delegação russa, após as conversas.

No entanto, ele acrescentou que as principais questões "ainda estão no ar, e não vemos um entendimento do lado americano da necessidade de uma decisão de uma forma que nos satisfaça".

A Rússia expressou repetidamente preocupação com a expansão para o leste da Organização do Tratado do Atlântico Norte e a implantação de sistemas de armas da aliança perto das fronteiras do país.

"Nós não confiamos no outro lado", afirmou ele. "Precisamos de garantias rígidas seguras, à prova de balas e juridicamente vinculativas, não garantias, não salvaguardas".

Durante as negociações, Ryabkov reiterou que a Rússia busca garantias juridicamente vinculantes da não expansão da OTAN, particularmente na Europa Central e Oriental.

A vice-secretária de Estado dos EUA, Wendy Sherman, que chefiou a delegação dos EUA, disse que o lado americano foi firme em "recuar propostas de segurança que simplesmente não são para os Estados Unidos".

Sherman disse que os Estados Unidos não vão parar a política de "Portas Abertas" da OTAN e não vão renunciar à cooperação bilateral com Estados soberanos que desejam trabalhar com os Estados Unidos. A exigência da Rússia para que a Ucrânia fosse excluída da futura adesão à OTAN também não foi aceita.

Recentemente, o conflito entre a Rússia e a OTAN liderado pelos Estados Unidos se intensificou na Ucrânia. Em dezembro, a Rússia enviou dois projetos de documentos aos Estados Unidos e à OTAN, ambos sobre garantias de segurança na Europa.

Ivan Timofeev, diretor de programas do Conselho de Assuntos Internacionais da Rússia, disse que é razoável esperar nenhum avanço nas negociações.

"Moscou expressou sua posição de forma clara e concisa", disse ele, acrescentando que o lado dos EUA, no entanto, não está pronto para considerar as preocupações da Rússia.

Fyodor Lukyanov, editor-chefe da Rússia na revista Global Affairs, destacou que os dois lados estavam em desacordo durante as negociações, pois os Estados Unidos queriam mudar o foco de questões políticas para tecnologia militar, enquanto a Rússia insistia em resolver primeiro as questões políticas importantes.

"O lado russo acredita que primeiro deve haver um novo acordo básico alcançado no nível político e, em seguida, é possível realizar consultas específicas no nível técnico-militar", disse Lukyanov.

PERSPECTIVAS NÃO PROMISSORAS

No final do ano de 2021, o presidente russo Vladimir Putin e seu colega americano, Joe Biden, discutiram as recentes propostas de segurança da Rússia durante seu telefonema.

Os dois líderes concordaram com a importância de um diálogo sério e significativo e confirmaram que as negociações de segurança entre Moscou e Washington serão realizadas em três formatos.

Após a primeira rodada de negociações em Genebra, o diálogo prosseguiria no âmbito do Conselho OTAN-Rússia e da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa.

Em geral, acredita-se que a primeira rodada de negociações de segurança entre a Rússia e os Estados Unidos seja de suma importância, o que dará o tom para as próximas duas rodadas.

Analistas apontaram que o diálogo pode ajudar a estabilizar as relações Rússia-EUA, mas é provável que as tensões entre a Rússia e o Ocidente continuem aumentando, pois os dois lados nunca ficaram sem contradições em problemas antigos.

Timofeev disse que as posições das partes envolvidas nas negociações continuam difíceis de coordenar, sobrecarregando esse processo.

O núcleo das relações da Rússia com o Ocidente está enraizado em seu relacionamento com os Estados Unidos, disse Li Yonghui, pesquisador-sênior do Instituto de Estudos da Rússia, Europa Oriental e Ásia Central da Academia Chinesa de Ciências Sociais.

Se as contradições fundamentais entre os dois países não puderem ser resolvidas por meio do diálogo, as tensões na Europa provavelmente persistirão no futuro próximo, disse Li. 

Fale conosco. Envie dúvidas, críticas ou sugestões para a nossa equipe através dos contatos abaixo:

Telefone: 0086-10-8805-0795

Email: portuguese@xinhuanet.com

010020071380000000000000011100001310424203