Europa enfrenta onda de calor incomum em meados de junho

2022-06-21 13:52:05丨portuguese.xinhuanet.com

O rio Tibre registrado com baixo nível de água em Roma, Itália, no dia 19 de junho de 2022. Uma onda de calor atingiu a Itália nesta semana, provocando emergências em pelo menos quatro cidades e colocando metade da produção agrícola no norte em risco de seca. (Foto por Alberto Lingria/Xinhua)

Paris, 19 jun (Xinhua) -- A Europa enfrenta uma onda de calor esta semana após uma onda de calor incomum, antecipada e intensa vinda do norte da África, com governos de muitos países europeus emitindo alertas ao público e instruções sobre como "não correr riscos".

Na França, registros mensais de calor foram contabilizados em várias cidades, segundo o Canal Meteo.

De acordo com o jornal Le Figaro, um recorde absoluto para a cidade litorânea de Biarritz, no sudoeste do país, foi registrado em 42,4 graus Celsius, com uma média de 35 graus Celsius em outras regiões da França.

Um total de 14 departamentos franceses estavam em alerta vermelho por causa da onda de calor na sexta-feira informado pelo Canal Meteo, que reduziu o número para 11 no sábado.

Cerca de três quartos da população francesa foram afetados pelo alerta de onda de calor laranja e vermelho.

Na noite de sábado, a situação continuou extrema, sem precedentes, com temperaturas excepcionalmente altas nunca antes vistas tão antes na temporada, informou o Le Figaro.

O governo francês também criou uma linha de "calor" para ajudar as pessoas necessitadas em caso de emergência.

Do outro lado do Canal da Mancha, o Met Office da Grã-Bretanha emitiu na sexta-feira um alerta de nível três, o segundo mais alto, para a onda de calor em Londres, sudeste e leste da Inglaterra, quando a temperatura subiu para 33 graus Celsius, a maior desde o verão de 2020.

A agência British Health Security emitiu um alerta de saúde de calor de nível três em Londres, sudeste e leste da Inglaterra, que exige que os serviços sociais e de saúde direcionem ações específicas para grupos de alto risco.

Stephen Dixon, porta-voz do Met Office, disse à mídia que as temperaturas no início dos anos 30 "não eram sem precedentes, mas é incomum ver temperaturas tão altas neste início do ano".

"O que temos percebido nos últimos anos é que, mesmo quando temos esses breves períodos de calor com essas explosões de calor do sul chegando, elas tendem a ser muito intensas", disse o meteorologista Tomasz Schafernaker, no podcast BBC Newscast esta semana.

"Vamos chegar a isso, isso é algo que você está começando a ver com mais frequência, então uma indicação de que o clima talvez esteja mudando", disse ele.

A onda de calor também atingiu a Itália nesta semana, provocando emergências em pelo menos quatro cidades e colocando metade da produção agrícola no norte em risco de seca.

Uma emergência de calor laranja, o segundo nível mais alto, foi declarada sexta-feira nas cidades do norte de Brescia e Turim, além de Florença e Perugia, no centro da Itália. Os mais vulneráveis, os idosos, as crianças, os doentes crónicos e as grávidas são aconselhados a ficar em casa durante as horas mais quentes do dia.

As temperaturas em algumas partes do norte chegaram a 40 graus Celsius na sexta-feira.

A associação agrícola Agricotori Italiani afirmou que metade da produção agrícola no norte da Itália está agora em risco devido às condições de seca.

Ele disse que o volume de precipitação nessas áreas até o momento deste ano foi apenas metade do volume do ano passado, e os danos causados ​​são estimados em 1 bilhão de euros (1,1 bilhão de dólares americanos).

De acordo com Alberto Cirio, governador da região do Piemonte, onde fica Turim, o rio Po, a hidrovia mais longa da Itália, crucial para a irritação agrícola, está 72 por cento abaixo do nível normal da água.

Ele disse que algumas partes da região não registram chuva há mais de 110 dias, situação que foi agravada pela falta de neve nos meses de inverno.

Na Espanha, temperaturas chegando a 42 graus Celsius, que colocaram 11 das 17 comunidades autônomas da Espanha em alerta laranja para altas temperaturas, continuam tendo muitos incêndios florestais que destruíram cerca de 13.000 hectares de floresta e cerrado em várias partes do norte da Espanha nos últimos três dias.

Os serviços de resgate relataram incêndios nas comunidades da Catalunha, Navarra, Aragão e Castela-Leão, onde um incêndio na Meseta Iberica, nas colinas de Sierra de la Culebra, na província de Zamora, devastou 9.000 hectares.

O incêndio também levou à evacuação de 650 pessoas de suas casas em várias pequenas cidades, depois de ter sido iniciado por um raio na noite de quarta-feira.

Três outros incêndios na Catalunha destruíram até agora 2.000 hectares, embora o corpo de bombeiros catalão alerte que altas temperaturas e ventos fortes significam que esses incêndios têm o potencial de se espalhar muito mais.

Mais de 1.200 hectares de floresta também foram queimados perto da cidade de Saragoça, em Aragão, depois que fortes ventos noturnos ajudaram a dobrar o tamanho do incêndio, que começou na quinta-feira. Esses incêndios estão ocorrendo no contexto da pior onda de calor de junho em mais de 20 anos, que durou uma semana e deve continuar até pelo menos domingo.

Um dos meses de junho mais quente já registrado seguiu-se ao maio mais seco desde o início dos registros e a rede de TV estatal espanhola, RTVE, informou na quarta-feira que 19.000 hectares de terra já foram destruídos por incêndios florestais em 2022. Isso é o dobro dos danos causados ​​no mesmo período em 2021, sendo que esses danos aumentaram consideravelmente nas últimas 48 horas.

Enquanto isso, os reservatórios na Espanha estão com uma capacidade média de 48 por cento, sendo 10 por cento abaixo de 2021 e 20 por cento abaixo da média dos últimos 10 anos.

Questionada sobre a causa da onda de calor, Clare Nullis, da Organização Meteorológica Mundial, disse que, embora seja apenas meados de junho, as temperaturas são mais típicas das observadas na Europa em julho ou agosto.

"Em algumas partes da Espanha e da França, as temperaturas foram mais de 10 graus Celsius acima da média para esta época do ano. Isso foi combinado com a seca em muitas partes da Europa", disse ela.

De acordo com Nullis, por causa das mudanças climáticas, as ondas de calor começaram mais cedo e estavam ficando mais frequentes e severas por causa das concentrações recordes de gases de efeito estufa que seguram o calor.

"O que vivemos hoje foi uma prévia do futuro", alertou ela.

Pessoas remam ao longo do rio Tibre com baixo nível de água em Roma, Itália, no dia 19 de junho de 2022. (Foto por Alberto Lingria/Xinhua)

Fale conosco. Envie dúvidas, críticas ou sugestões para a nossa equipe através dos contatos abaixo:

Telefone: 0086-10-8805-0795

Email: portuguese@xinhuanet.com

010020071380000000000000011100001310628531