(Multimídia) Cientistas chineses descobrem história de erupções vulcânicas na região de pouso da Chang'e-5-Xinhua

(Multimídia) Cientistas chineses descobrem história de erupções vulcânicas na região de pouso da Chang'e-5

2022-09-18 18:32:15丨portuguese.xinhuanet.com

Um visitante observa as amostras lunares trazidas de volta à Terra pela sonda chinesa Chang'e-5 no Museu Nacional da China, em Beijing, capital da China, em 18 de abril de 2021. (Xinhua/Yin Dongxun)

   Beijing, 18 set (Xinhua) -- Uma equipe de pesquisa da China descobriu evidências geológicas de pelo menos quatro camadas de fluxos de lava vulcânica que inundaram a região de pouso da missão de exploração lunar Chang'e-5, de acordo com um comunicado de imprensa do Centro Nacional de Ciência Espacial (NSSC, siglas em inglês) da Academia Chinesa de Ciências.

   A missão Chang'e-5 da China trouxe um total de 1.731 gramas de amostras lunares de volta à Terra no final de 2020. A região de pouso da missão na região noroeste do Oceanus Procellarum, também conhecida como o Oceano de Tempestades, é considerada uma das mais jovens unidades basálticas na superfície lunar.

   Os cientistas dizem que a região é rica em elementos produtores de calor, tais como urânio, tório e potássio, que são considerados responsáveis pela manutenção das atividades vulcânicas de longa data na Lua.

   "Portanto, o estudo da espessura do basalto e sua taxa de erupção na área de pouso de Chang'e-5 irá melhorar ainda mais a compreensão da atividade vulcânica lunar e da história da evolução térmica interna", disse Du Jun, que liderou o projeto de pesquisa.

   Para abordar estas questões, pesquisadores do NSSC e de outros institutos na China estimaram a espessura dos basaltos de égua na região de pouso de Chang'e-5. Seus resultados mostram que pelo menos quatro erupções magmáticas ocorreram na região de pouso, com uma espessura mediana de 230 metros, 70 metros, 4 metros e 36 metros, respectivamente.

   Além disso, o estudo também mostra que a taxa de erupção de basaltos de éguas na região de pouso de Chang'e-5 aumentou significativamente há cerca de 2 bilhões de anos.

   "Espera-se que estes resultados forneçam novas restrições para o modelo numérico que pode explicar a duração e a escala das atividades vulcânicas na Lua", disse Du.

   Os resultados da pesquisa foram publicados recentemente no Journal of Geophysical Research: Planets.

Fale conosco. Envie dúvidas, críticas ou sugestões para a nossa equipe através dos contatos abaixo:

Telefone: 0086-10-8805-0795

Email: portuguese@xinhuanet.com