Empresas e governo dos EUA agravam crise global de alimentos, diz especialista dos EUA-Xinhua

Empresas e governo dos EUA agravam crise global de alimentos, diz especialista dos EUA

2022-09-21 10:39:36丨portuguese.xinhuanet.com

Agricultor opera uma colheitadeira em um campo de trigo na província de Sweida, no sul da Síria, no dia 2 de julho de 2022. (Foto por Ammar Safarjalani/Xinhua)

Os Estados Unidos não tomaram nenhuma medida para conter a especulação e apoiaram fundos e bancos na aquisição de ações ou investimentos em larga escala no setor agrícola no exterior, inclusive na Ucrânia e na África, disse um especialista dos EUA.

Nova York, 19 set (Xinhua) -- Comportamentos especulativos de empresas de Wall Street e gigantes de grãos no mercado global, e o apoio do governo dos EUA a essas empresas, agravaram a crise alimentar mundial em meio ao conflito na Ucrânia, disse um especialista dos EUA.

Frederic Mousseau, diretor de políticas do Oakland Institute, destacou que um grande problema é o salto de preços resultante da especulação de mercado por empresas de investimento e grandes corporações de alimentos.

Assim que a crise na Ucrânia começou, "muitos especuladores pularam no mercado para comprar futuros de alimentos, para apostar no mercado. Então os preços ficaram muito altos", disse Mousseau em entrevista recente à Xinhua.

O especialista, que trabalha no assunto há quase duas décadas, argumentou que o mercado global de alimentos é amplamente dominado e controlado por muitas empresas americanas e europeias.

"Vimos enormes lucros dessas empresas no ano passado", disse Mousseau, citando os lucros crescentes de gigantes globais de alimentos.

Foto tirada no dia 4 de agosto de 2022 mostra a Casa Branca em Washington, D.C., Estados Unidos. (Xinhua/Liu Jie)

Essas empresas se beneficiaram do aumento dos preços, às custas de muitos países pobres que não puderam comprar alimentos adequados no mercado global por causa da manipulação "louca", disse Mousseau.

Dados da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) mostraram que o Índice de Preços de Alimentos aumentou para 159,7 em março, ante 135,6 em janeiro e 125,7 em 2021.

Além disso, a proteção de décadas do governo dos EUA às grandes agroindústrias do país contribuiu para a crise alimentar, disse o especialista.

Os Estados Unidos não tomaram nenhuma medida para conter a especulação e apoiaram fundos e bancos na aquisição de ações ou investimentos em larga escala no setor agrícola no exterior, inclusive na Ucrânia e na África, disse Mousseau.

Grandes empresas de investimento nos Estados Unidos investiram em quase todas as empresas agroquímicas nos setores de fertilizantes, sementes e pesticidas, disse o especialista.

As decisões dos EUA em termos de agrocombustíveis, apoio aos agricultores e se exportam ou mantêm a oferta e o que fazer com a produção tenha um grande impacto nos mercados globais, disse Mousseau.

Descrevendo os Estados Unidos como "hipócritas", ele disse que, embora Washington tenha dito a outros países "para não restringir o comércio, não proteger seu mercado, não restringir as exportações, os Estados Unidos são dominantes no mercado".

O especialista em políticas também propôs que os países mais vulneráveis ​​tomem medidas para melhorar sua própria segurança alimentar, incluindo a redução da dependência de importações de alimentos e a promoção da produção agrícola local.

Fale conosco. Envie dúvidas, críticas ou sugestões para a nossa equipe através dos contatos abaixo:

Telefone: 0086-10-8805-0795

Email: portuguese@xinhuanet.com